18 outubro 2013

Sobre o caso do Instituto Royal



Eu imagino, e espero, que muitos de vocês estejam tão revoltados quanto eu em relação ao que aconteceu no Instituto Royal. Que fique claro que o que é feito lá, é algo cruel e desumano. E não interessa se esse animais são tratados de acordo com as normas da Anvisa, e mesmo que eles fossem bem cuidados e banhados, utilizá-los para testes onde nós, teoricamente, iremos nos beneficiar não é certo.


Se ainda tem alguém que não sabe o que aconteceu, eu resumo: monstros, localizados em um lugar chamado Instituto de Pesquisa Royal, utilizam animais para fazer pesquisas para produtos farmacêuticos. Nesta madrugada, ativistas invadiram, depois de se acorrentarem como forma de protesto, o Instituto e resgataram cerca de DUZENTOS cachorros da raça Beagle após denúncias de que eles estavam sendo maltratados e, até mesmo, assassinados.

Como se não bastasse, o Instituto, de acordo com esta matéria: http://www.ebc.com.br/cidadania/2013/10/ministerio-diz-que-instituto-royal-pode-utilizar-animais-para-pesquisa, é autorizado, legalmente, para fazer uso de animais durante os testes.

Infelizmente, no Brasil, este tipo de teste é permitido. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) "Apesar da proibição para testes em animais ser uma tendência mundial, ainda não há uma legislação em vigência no Brasil a respeito. Há essa tendência quanto aos produtos cosméticos brasileiros; no entanto, de acordo com o Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos, ainda não é possível abandonar a utilização de animais na avaliação da segurança de produtos, por falta de métodos alternativos validados. O Guia ressalta ainda que o rigor científico e a ética são princípios que devem nortear a utilização de animais em testes de segurança. Conforme o Guia de segurança, 'Os animais de laboratório deverão ser utilizados sempre que não existam métodos alternativos validados que os substituam ou, em casos específicos, após "screening" com métodos in vitro e/ ou matemáticos válidos, precedendo dessa forma, os estudos clínicos'."

Em 2008, foi criada uma Lei que regula o uso de animais em pesquisas nesse tipo de Instituto. Não detalharei a Lei, apenas direi que ela prevê a multa de R$ 5 mil a R$ 20 mil por quem não cumpri-la. Vejam bem, ela não proíbe o uso dos animais, ela o REGULA (pelo visto, com pouca frequência).

Quando vi o que havia acontecido, senti tanto orgulho daqueles "terroristas", como alguém do Instituto se referiu aos ativistas, que por um momento senti alegria. E sinto sempre que lembro do que eles fizeram e que os animais resgatados estão em boas mãos. 

Mas me sinto um lixo por ser humana. Por lembrar que esse é só mais um Instituto que realiza este tipo de teste. Por fazer parte de uma espécie onde uma grande parte se acha superior aos animais por se achar racional.

Os ativistas acabaram com pesquisas. Acabaram com testes. Acabaram com seu dinheiro. Atrapalharam a investigação. Os ativistas responderão por furtos. Os ativistas salvaram vidas. 
Se vão prendê-los, prendam-me também! 

De acordo com esse blog, entre as marcas que realizam testes em animais estão M.A.C., Maybelline, Johnson & Johnson, Always, Avon, Clean & Clear, Dove, L’Oreal, Revlon, L’Occitane, LaRoche Posay, Lux, Mary Kay, Neutrogena, Olay, Pantene, Vichy e Veet. 

Sejamos conscientes! Vamos cuidar e exigir cuidados! Vamos nos informar! Eu tenho um bichinho que só eu sei o quanto amo, sei que muitos de vocês também tem. Eles não são inferiores, entendam. Eles são, se duvidar, melhores.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário